fbpx

TMSC irá conseguir produzir Kirin 1020 antes de setembro

A vida não está fácil para a Huawei. Depois de se ver privada dos serviços da Google, enfrenta agora uma nova medida do governo americano para proibir a TSMC de produzir os seus processadores Kirin.

Com o aproximar da apresentação do Mate 40, esta foi uma decisão que poderia colocar em causa o lançamento deste novo smartphone. No entanto, a Huawei antecipou-se e deverá ter o Kirin 1020 pronto a tempo.

TSMC irá produzir Kirin 1020 da Huawei antes de setembro

Com a nova deliberação do governo americano, todas as empresas de fabrico de chips que usem tecnologia americana passam a ter de pedir autorização para comercializar componentes à Huawei.

Deste modo, a TSMC, empresa que fabrica os processadores Kirin, ficou proibida de aceitar novas encomendas destes processadores e não poderá fazer mais entregas a partir de setembro.

tsmc processadores
Publicidade

Com esta medida, o governo americano procura limitar ainda mais a Huawei, marca que acusa de espionagem. Embora a marca chinesa já tenha assumido que esta nova decisão irá afetar bastante a sua atividade, a verdade é que o Mate 40 poderá não estar em risco.

Segundo novas informações, a Huawei antecipou esta decisão do governo americano e fez uma encomenda do novo Kirin 1020 de 5 nm no valor de 400 milhões de dólares que a TSMC deverá conseguir entregar antes do mês de setembro.

Há já alguns meses que a Huawei tem andado a armazenar componentes de forma a reduzir o risco de mais decisões idênticas do governo americano. Desta forma, o lançamento do Mate 40 não deverá estar em risco.

huawei processadores

Já no caso dos processadores de 7 nm Kirin 980 e 990, a sua produção dentro do prazo estabelecido pode ser um pouco mais difícil, uma vez que a TSMC já tem a capacidade da linha de produção completa.

Com o Kirin 1020 assegurado, a marca chinesa pode respirar mais alguns meses de alívio. No entanto, como a própria já o referiu, é importante começar a procurar alternativas para fazer face aos possíveis problemas de futuro. No caso da Honor, uma das submarca da Huawei, o CEO já afirmou que o futuro da marca deverá passar por uma parceria para utilização dos processadores Mediatek.

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Publicidade