fbpx

Xiaomi revela que não abandonou os planos de desenvolver os seus processadores Surge

No mercado dos processadores, a Qualcomm lidera com os seus Snapdragon e enfrenta agora uma forte concorrência da Mediatek.

Numa dimensão menor, encontramos também a Samsung, com os Exynos, a Apple com os A e os futuros Silicon e, por fim, a Huawei com os Kirin que deverão agora deixar de ser produzidos.

A Xiaomi foi outra das fabricantes que, em 2017, anunciou o início do desenvolvimento de processadores próprios, os Surge, que, após a estreia do Surge S1, nunca mais foram lançadas novas versões.

No entanto, se já se considerava este projeto da marca chinesa morto, Lei Jun veio agora clarificar este assunto afirmando que os planos para desenvolvimento de processadores próprios continuam de pé.

surge s1 xiaomi
Publicidade

Xiaomi vai continuar a produzir processadores próprios Surge

Em 2017, a Xiaomi lançou o Surge S1, um processador de 28nm octa-core com 4 cores Cortex-A53 a 2.2GHz e 4 cores Cortex-A53 a 1.4GHz, acompanhado por uma GPU Mali-T860.

Este foi o pontapé de saída da Xiaomi no fabrico dos seus próprios processadores, tendo lançado este SoC no Mi5C e celebrado uma parceria com a Nokia de forma a que a marca finlandesa usasse estes processadores nos seus equipamentos.

xiaomi mi 5c

No entanto, passado 3 anos, nem a Xiaomi voltou a lançar novas versões do processador nem a Nokia incluiu o S1 num dos seus smartphones, levando todos a pensar que este projeto estaria morto.

No entanto, Lei Jun vem agora revelar que a Xiaomi mantém viva a ideia de produzir os Surge e que existem planos para expandir este projeto em breve.

Embora não tenham sido dadas informações mais concretas, poderemos ver num curto espaço de tempo a marca chinesa a ampliar o seu portefólio de processadores Surge, expandindo assim a concorrência num mercado totalmente liderado pelos chips da Qualcomm.

Siga o Techbit no Facebook

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Publicidade