Análise Beoplay EQ: os primeiros auriculares sem fios com cancelamento de ruido da B&O

Os Beoplay EQ podem ser tudo aquilo que desejamos nuns auriculares sem fios. São pequenos, têm uma boa qualidade sonora, uma autonomia dentro da média, cancelamento de ruído e um design que, como a marca já nos habituou, não desilude em nenhum ponto.

Não se tratam dos auriculares mais pequenos nem dos mais potentes do mercado, mas esse também não é o objetivo da marca. No entanto, dá para perceber que foi a primeira tentativa da empresa de criar uns auriculares sem fios com cancelamento de ruído num tamanho reduzido.

Beoplay EQ B&O
Publicidade

Primeiras impressões sobre os Beoplay EQ

Assim que olhamos para a caixa, como já é hábito com a marca, ficamos logo com a ideia de que se trata de um produto bem construído e que vai chamar a atenção, por muito pequeno que seja.

Os Beoplay EQ não são os auriculares sem fios mais pequenos do mercado e isso nota-se logo mal se abre a caixa. O primeiro pensamento foi “ok, são um pouco grandes, não sei se vão ser confortáveis”, até porque são (um pouco) mais pesados que o que estamos habituados a utilizar (isto comparando com os Galaxy Buds e os Galaxy Buds Live).

Beoplay EQ B&O

No entanto, esta ideia desaparece no segundo em que os colocamos no ouvido só para experimentar o encaixe ver se é necessário algum ajuste a nível das borrachas. Notamos a presença dos auriculares, mas não sentimos nenhum tipo de desconforto ao fim de uns minutos.

O material é resistente, tanto da caixa como dos Beoplay EQ e o design é simples mas elegante, como já é hábito nos artigos Bang & Olufsen. Tanto o auricular direito como o esquerdo têm a superfície externa que serve para realizar diversos comandos sensíveis ao toque.

A utilização diária

Durante algumas semanas pudemos testar a fundo as capacidades totais dos Beoplay EQ, os primeiros auriculares com cancelamento de ruído desenvolvidos pela B&O. Uma spoiler que deixamos já de início é que, com a utilização constante e com algum conhecimento de diversos aparelhos semelhantes, conseguimos perceber que, de facto, estes são a primeira tentativa da marca com esta tecnologia neste formato.

Não quer isto dizer que se tratam de maus auriculares, apenas que existem pequenos detalhes que podem ser melhorados.

Beoplay EQ B&O

A empresa anuncia que, no total, a autonomia dos fones em conjunto com a caixa pode alcançar as 20h de utilização com um volume moderado, algo que, com os nossos testes, podemos confirmar. Por vezes, até conseguimos mais tempo que o anunciado se reduzíssemos ligeiramente para um volume mais baixo e não ligássemos o ANC.

Como se tratam de auriculares in-ear, os Beoplay EQ já contam com um cancelamento de ruído passivo que, para a maioria dos casos dentro de espaços fechados poderá ser mais que suficiente.

Os auriculares contam com três modos distintos para ouvir música/realizar chamadas: Neutro, Transparência e Cancelamento de Ruído Ativo (sendo que em chamada o modo Transparência é substituído pelo Own Voice que ajuda a melhorar a qualidade da nossa voz em vez de permitir ouvir o que se passa ao redor).

Beoplay EQ B&O

A alteração entre cada modo é feita através de um duplo toque no auricular esquerdo, assumindo o comando com um pequeno sinal sonoro diferente para cada um dos modos. Durante os testes vimo-nos em diversas situações que se tornou meio confuso esta mudança de modos que é feita de forma ciclica.

Sem que haja uma indicação precisa de qual modo está ativo, em ambientes mais ruidosos aconteceu acharmos que estava o modo Transparência ligado, para podermos ouvir a pessoa que ia falar connosco, e na verdade estava o modo Neutro. Isto implicava que tivéssemos de dar dois toques no auricular esquerdo para mudar para o ANC e outros dois para chegar então ao Transparência.

Beoplay EQ B&O

Também aconteceu o oposto, em ambientes mais calmos assumirmos que estávamos com o ANC ligado e só quando havia uma alteração no ruído de fundo é que percebíamos que não estava ligado. Claro que é bom haver um cancelamento de ruído passivo bom a este nível, mas seria mais intuitivo se estivesse implementado um sistema semelhante ao que a Huawei utiliza nos FreeBuds Studio, que dá ao utilizador um feedback falado de qual modo está a ser ativado.

Apesar de tudo, com o hábito, começamos a perceber um pouco melhor como funciona cada modo em detalhe e tonrava-se cada vez menos comum este tipo de confusão.

Aplicação B&O

Como todos os procutos da marca, a ligação aos dispositivos móveis deve ser realizada através da aplicação oficial Bang & Olufsen, disponível para Android e iOS.

O emparelhamento foi feito de forma rápida e sem complicações, aliás, foi quase instantâneo até. Tivemos direito a uma breve explicação sobre os auriculares e os comandos base e estavam prontos a personalizar.

Dentro da aplicação não existem muitas opções, no entanto são as suficientes para este tipo de gadget. Logo no cima da página inicial, encontramos a imagens dos dois fones e da caixa de carregamento com a indicação da bateria restante em cada um dos três elementos.

De seguida temos os controlos multimédia presentes em qualquer equipamento de reprodução de som da marca e, de seguida, os diversos equalizadores que podemos utilizar e configurar para os Beoplay EQ. O “Ideal” pareceu-nos o melhor para o nosso tipo de utilização, mas se nenhum dos pré-definidos se adaptar é possível personalizar um próprio.

Beoplay EQ B&O

Existe ainda a opção de ligar e desligar o ANC adaptável. Esta função permite que, quando ligada, os fones escolham o nível de cancelamento de ruído que devem aplicar com base numa rápida análise do ambiente envolvente. Durante os testes, optámos por deixar esta opção ligada pois pareceu-nos funcionar muito bem e de forma bastante rápida.

A última opção que é oferecida pela aplicação é a de ligar ou desligar o Standby Automático que, quando ligado, desliga os fones caso estes estejam 15 minutos sem qualquer tipo de interação ou reprodução.

Controlos touch em cada um dos auriculares

Apesar de funcionarem como um só, os Beoplay EQ oferecem controlos distintos em cada um dos auriculares. Podemos assumir que o auricular direito é o que controla tudo e o esquerdo faz o apoio e as funções secundárias.

Em chamada, o controlo está quase todo à direita. Com dois toques no auricular podemos atender uma chamada e os mesmos dois toques vão colocar um fim à mesma. Neste cenário, o auricular esquerdo controla apenas o modo de som que deve ser aplicado, funcionando de forma cíclica entre o neutro, o ANC e o Own Voice – este último modo vai direcionar e analisar melhor a própria voz para oferecer uma maior clareza nas chamadas.

Neste campo, os testes mostraram que as pessoas nos ouviam extremamente bem, por vezes até melhor que recorrendo ao telemóvel.

A nível de ouvir música, aqui sim, podemos dizer que os Beoplay EQ se conseguiram destacar comparando com os modelos que estávamos habituados a utilizar. Em termos de volume e de qualidade de som não temos nada a apontar, a Bang & Olufsen sabe que faz neste departamento e as músicas soam bastante límpidas e com os detalhes toos no sítio certo.

Os controlos dos auriculares, aqui sim, são mais diversificados. No lado direito temos o duplo toque para Play/Pause e um duplo toque com um prolongamento no fim vai fazer com que o volume suba de forma gradual.

Beoplay EQ B&O

No lado esquerdo temos o mesmo duplo toque com um prolongamento final para reduzir o volume de forma gradual e, tal como nas chamadas, cada duplo toque normal vai fazer com que o modo de som seja mudado de forma cíclica entre o Neutro, o ANC e o Transparência.

Aqui encontrámos um pequeno inconveniente que, por vezes, se tornou mais chato. Não temos forma de avançar ou retroceder a música que estamos a ouvir diretamente nos fones, temos sempre de recorrer ao dispositivo onde os auriculares estão conectados.

Conforto

Como indicámos, estes não são os auriculares sem fios mais pequenos do mercado nem os mais leves. Cada auricular pesa à volta dos 8g e, logo de início, esse peso é sentido, mas rapidamente nos habituamos.

Após várias horas a utilizar os Beoplay EQ durante o trabalho, podemos dizer que não sentimos qualquer dor ou desconforto nos ouvidos. Os auriculares são bastante confortáveis, seguram-se bem nos ouvidos e oferecem um isolamento perfeito em ambientes interiores.

Beoplay EQ B&O

Na rua a situação é bastante parecida, sendo que o único problema poderá ser utilizar o ANC ou o modo transparência em dias com um vento muito forte, pois se o vento bater diretamente de frente nos microfones começamos a ouvir através dos auriculares o som do vento.

Num ambiente mais desportivo, com corridas e saltos à mistura, podemos dizer que, pela nossa experiência, os Beoplay EQ aguentaram-se bastante bem sem nunca terem caído ou terem dado a sensação de que iam sair dos ouvidos.

Veredito final dos Beoplay EQ

Os Beoplay EQ começaram por parecer algo que ia desiludir, mas no final conquistaram-nos em muitos deparatamentos.

Claro que ainda não chegaram ao ponto de serem perfeitos e poderem tornar-se a escolha número um de qualquer consumidor, mas também não é esse o objetivo da marca para os Beoplay EQ. Estes são auriculares que oferecem um design irrepreensível e uma qualidade de som surpreendente para algo com dimensões tão reduzidas.

Beoplay EQ B&O

Os Beoplay EQ são a junção de uma construção premium com um som de qualidade, aliando-se ainda a uma boa autonomia. Até porque, como é anunciado pela empresa, 20 minutos de carregamento conseguem oferecer cerca de 2h de reprodução de música, o que permite em pouco tempo conseguir energia suficiente para uma viagem considerável.

A interação com a aplicação é simples e não é necessário recorrer muitas vezes à mesma, aliás, depois da configuração inicial só voltamos a usar a aplicação se realmente quisermos saber a ao pormenor a percentagem debateria restante ou necessitarmos de configurar alguma coisa mais em detalhe.

As chamadas com os Beoplay EQ são fluídas e de qualidade oferecendo uma maior liberdade, até porque podemos andar livremente pela casa sem nos preocuparmos com a ligação. Pelos testes que fizemos, e comparando com os dois auriculares anteriormente mencionados da Samsung, os Beoplay EQ conseguiram ter um alcance muito maior e sem qualquer falha.

Beoplay EQ B&O

De forma geral, a única queixa que podemos apresentar quanto aos Beoplay EQ é mesmo a falta de comandos para avançar ou retroceder a música diretamente nos auriculares. É um comando simples e que faz toda a diferença para quem passa muitas horas a ouvir música ou para quem planeia utilizar os Beoplay EQ para desporto e não pretende estar constantemente a recorrer ao smartphone para, apenas, passar para a música seguinte.

Agradecemos à Bang & Olufsen por nos ter disponibilizado os Beoplay EQ para testes.

Beoplay EQ

399€
9.2

Design

9.5/10

Conetividade

10.0/10

Qualidade de som

9.5/10

Controlos

7.5/10

Autonomia

9.5/10

Pros

  • Autonomia
  • Design
  • Qualidade de som

Contras

  • Falta de comandos touch para avançar e retroceder músicas

Partilhe este artigo

Deixe um comentário

Publicidade